Imagem capa - Bel Ferreira assume a vice-presidencia da ABFRN por Bel Ferreira

Bel Ferreira assume a vice-presidencia da ABFRN


O nosso papel na Associação Brasileira de Fotógrafos de Recém-Nascidos


No início deste mês, assumi a vice-presidência da ABFRN, e eu não poderia estar mais feliz. Mas calma, antes disso, quero te contar como toda essa história começou… 


O início da minha carreira na fotografia newborn, como já mencionei várias vezes, não foi nada fácil. Abri mão de muita coisa, passei por muitos perrengues, e dei a volta por cima mesmo sem dinheiro para investir. Apesar disso, eu sempre tive certeza de três coisas. A primeira é que educação e conhecimento eram o primeiro passo para conseguir tudo que eu queria. Sem isso eu não seria nada. A segunda era que eu me tornaria uma pessoa de referência, que eu teria sucesso em tudo que eu colocasse amor. E a terceira, mas não menos importante, é que eu queria devolver tudo aquilo que o mercado me proporcionou. Eu sempre soube que queria colaborar com outros profissionais, ajudar, ensinar, construir um mercado melhor do que aquele que encontrei quando comecei. 


O meu primeiro ano trabalhando profissionalmente com a fotografia newborn foi 2013, quando realmente comecei a cobrar e viver das minhas fotos. Nesse mesmo ano, participei do primeiro congresso de fotografia newborn do mundo, o Newborn Photo Conference, que acontecia em São Paulo. Ainda era uma época de recessão financeira para nós, por isso, eu e a Dani fomos para São Paulo, mas só eu participei do evento. Acontece que, algo muito especial começou neste congresso. Foi lá que conheci a Associação Brasileira de Fotógrafos de Recém-Nascidos. Lembro de ver as fundadoras subindo no palco e contando sobre o trabalho que elas faziam, como tudo funcionava. Eu tinha certeza de que aquilo era tudo que eu precisava. A ABFRN foi a chance que encontrei de edificar mais ainda o meu trabalho, de mostrar aos meus clientes que eu era uma profissional séria, entregar a eles autoridade e notoriedade, e provar que eu acreditava tanto nesse mercado e buscava tanto conhecimento, que tinha até uma associação por trás. 


Não tive dúvidas! Me inscrevi assim que a ABFRN liberou as inscrições no site, porém, recebi uma rejeição, as minhas fotos não foram aprovadas. Enviei minhas fotos novamente, e tive um resultado positivo, uma aprovação. Foi o início de uma história que perdura até hoje, com mais reviravoltas do que eu podia imaginar. Há dois anos a ABFRN abriu uma eleição para nova composição de diretoria, e eu participei da chapa vencedora. Isso significa que já faço parte do corpo da diretoria da associação há um tempo, foi a oportunidade de ver como tudo funcionava, quais as dificuldades e o poder que temos em relação ao mercado. 


Quando chegou a hora de trocar a presidência e a vice-presidência, fui convidada para integrar a chapa com a Cinara Piccolo, para concorrer ao cargo de vice. Confesso que a responsabilidade é muito grande, só quem está lá dentro trabalhando em prol dos que são associados e de todo o mercado sabe as dificuldades que a gente encontra, as barreiras que a gente enfrenta, e isso é muito difícil de ver de fora. Enquanto associada, muitas vezes fiz questionamentos, achando que tudo era muito simples. Mas quando estamos do lado de dentro vemos que existe uma burocracia e uma série de fatores para que tudo consiga sair conforme o previsto. 


Por isso, quando recebi o convite para integrar a chapa, eu pedi para pensar a respeito. Não tinha muito tempo, no máximo uma semana. A dúvida que eu tinha era: será que dou conta? Eu, estando lá dentro, fazendo parte da diretoria, sabia da responsabilidade que era com os associados e com o mercado, não era só estar ali. E nessa nova posição a responsabilidade aumentaria ainda mais, por isso fiquei bem balançada. Me questionei várias vezes. Será que dou conta? Será que é pra mim? Todas aquelas dúvidas que todo mundo tem na vida quando existe medo. 


E então eu me lembrei! Lembrei que desde o início da minha carreira ajudar o próximo sempre tinha sido meu propósito, e que essa seria a maior chance que eu teria de estar ao lado do meu mercado e representar tantos profissionais, que assim como eu, lutam para encontrar o seu lugar. Isso me move, portanto, não deveriam existir dúvidas. E, de fato, não eram dúvidas, mas apenas medo. Medo de não estar a altura do cargo. Quando deixei isso de lado, pensei: “Estou exatamente onde eu gostaria de estar. Não queria estar em nenhum outro lugar agora”. 


Aceitei a candidatura com a Cinara e, algum tempo depois, foi feita a eleição na nossa Assembléia Geral Ordinária. Nós fomos eleitas neste dia, 1º de julho de 2020. Cinara Piccolo assumiu a presidência da ABFRN, e eu a vice-presidência. E agora, sim, não há nenhum outro lugar onde eu gostaria de estar. Eu e Cinara já temos vários projetos, conversas constantes sobre ideias de continuidade e aprimoração de todo o trabalho que já foi realizado até aqui. Estamos muito empolgadas, com muito gás. Estou muito feliz de fazer parte desse momento e poder anunciar isso para todo mundo. Meu infinito agradecimento à ABFRN e a todos os envolvidos. Aqui começo uma nova parte da minha história. 


Aos pais e clientes que me lêem, vocês podem conhecer um pouco mais sobre a Associação Brasileira de Fotógrafos de Recém-Nascidos no nosso site, tenho certeza que dará a vocês ainda mais confiança no nosso trabalho. Aos colegas fotógrafos que ainda não fazem parte da associação, a hora é agora! Venham construir um mercado ainda melhor com a gente. Temos certeza que fará toda diferença na trajetória de vocês. 






À direita, antiga presidência, composta pela ex presidente Laura Alzueta e ex vice-presidente Carla Durante. À esquerda, atual presidente Cinara Picollo e vice-presidente Bel Ferreira. Clique Aqui e veja a matéria no site da ABFRN